Gallus Domesticus — Abdalan da Gama

Fiquei fora alguns dias. Olhei para dentro, gastei tempo escarafunchando lembranças antigas de quando eu era apenas um franganote.

Ocorreu-me Dona Tonha Feiticeira, aquela que morava, como eu, próximo à feirinha, perto da alfaiataria do meu avô. Na frente da sua casa estacionavam os galeoteiros, os quais ela tentava expulsar amiúde com perdigotos e esguichos d’água de mangueira. Dias de algazarra e banho. Na grade verde e baixa do jardim da sua casa, meu segundo irmão, ainda frangote, foi derrubado de testa e ganhou seu primeiro grande galo.

Dona Tonha Feiticeira é da época que existiam galinhas. Hoje todos esses seres são chamados de frangos. Lá ia eu, seguindo-a casa adentro. Ela vestida como cigana: babados e cordões, pingentes e dentes dourados. Eu segurando uma galinha viva pelos pés conduzindo-a entre imagens, signos de Salomão e carrancas. A carijó sabia de turmas inteiras que se transformara em passarinhos ou tulipas. Desde pintinho cria que poderia se tornar crispy chickenKorean fried chicken, fricassê. Caipira, veio para cidade exatamente para ser imolada e se transformar no cozido com batatas do dia. Voltava da casa da Dona Tonha Feiticeira com a cabeça debaixo da asa.

Foi aí que aprendi o ofício a que era solicitado ao menos uma vez por semana por minha mãe: um pé prendia duas asas no chão. O outro, os pés de galinha. Mão esquerda agarrava a cabeça com força. Arrancava penas do pescoço. Batia a faca e depois, com o fio, sangrava a danada esperando sua morte.

Fiquei introspectivo alguns dias. Olhei para fora e não perdi tempo. Aqui vou — entre o ovo e o voo — tentando atravessar a rua para o lado ensolarado da calçada.

 

Em 2008.

Anúncios

Ideia vaga — Abdalan da Gama

A ideia é filha da criatividade com a inteligência. É concebida na mente, e o pensamento é seu nascedouro. Bem cedo, brinca no berço das fábulas e fantasias e passa a infância na imaginação. Mora no Cérebro, mas se cria em Reflexão. Passa a adolescência em Delírio; cresce na abstração. A ideia vaga em Devaneio e antes que se perca em Conjecturas, volta à Memória. Vira noites em Invenção. Fixa-se de vez no ponto de vista. Matuta. Compreende conceitos. Estuda suposições e amadurece. Gradua-se na faculdade da perspicácia. Mais tarde, apaixona-se por Desvairo e esquece do Juízo. Pratica meditação como religião; assimila a doutrina com sagacidade. Cogita, maquina e envelhece — aniversário de ideia é lembrança e aposentadoria, recordação —. Adoece por fim no esquecimento e morre na ponta da língua.

Abdalan, 2008